Instalando o software e equipamento de neurofeedback

Eu gravei esse vídeo com o objetivo de ajudar as pessoas a instalarem o software de neurofeedback BIOEXPLORER e um equipamento/ hardware para realização do treinamento com neurofeedback. Eu usei o hardware U-wiz como exemplo, mas esses mesmos passos podem ser usados para instalação e configuração de qualquer equipamento da linha Wiz.

Alguns outros equipamentos, mesmo funcionando com Bioexplorer, podem ter configurações um pouco diferente. Não sei dizer se esse passo a passo irá funcionar para outros equipamentos.vocw pode conferir o vídeo aqui nesse link do YouTube:

Curso de Neurofeedback: módulo pratico

Atualmente sou sócia da Alfaneurofeedback e a agenda de cursos de neurofeedback para 2018 já está no ar e pode ser visualizada em:

http://www.alfaneurofeedback.com/proximos-eventos/

O curso prático de neurofeedback visa ensinar o método de avaliação miniQEEG, com base nos parâmetros estabelecidos pelo nosso parceiro Itallis Communication.

Esse curso será realizado com turmas reduzidas entre 4 e 10 participantes (de 2 a 5 duplas) para melhor aproveitamento.

DATA: 27 e 28 de abril de 2018

LOCAL: Tullip In Hotel, rua Apeninos, 1070. CEP 04104-021. Site: http://www.tulipinnsaopaulopaulista.com/pt-br. Ao fazer sua reserva, informe sua participação no curso

Investimento:

– até 25/03/2018: R$1250,00

Faça a sua inscrição no módulo teórico de neurofeedback (03 e 04 de março 2018) e no módulo prático (27 e 28 de abril 2018) e ganhe 5% de desconto no valor dos cursos + 1 hora de supervisão com a Dra. July Silveira Gomes(*promoção válida até 10/03/18 para inscrição da mesma pessoa nos 2 cursos, consulte formas de pagamento pelo email julygomes@alfaneurofeedback.com.br; a supervisão deverá ser usada entre 29/04/2018 a 30/05 de 2018 ou entre 01/07/2018 a 30/11/2018).

– entre 26/03/2018 e 14/04/2018: R$1400,00

– entre 15/04/2018 e 25/04/2018: R$1550,00

INSCRIÇÃO: Para receber o formulário de inscrição, envie um e-mail para julygomes@alfaneurofeedback.com.br

PÚBLICO ALVO: Psicólogos, profissionais da saúde, educação e desenvolvimento humano.

OBJETIVO GERAL: Ensinar o método de avaliação, com base no sistema utilizado pela Itallis Communication.

OBJETIVO ESPECÍFICO: Ao final do curso o aluno deverá ser capaz de:

– Realizar uma entrevista para estruturar sua intervenção com neurofeedback;

– Coletar dados para a formatação do miniQEEG;

– Entender os principais parâmetros da avaliação miniQEEG;

– Entender como gerar um relatório de progresso.

Cada participante finalizará o curso com o seu próprio miniQEEG e terá delineado seu próprio protocolo de treinamento

CONTEÚDO:

Dia 1:

Overview do método Itallis

Entendendo a queixa do meu paciente: entrevista com base no método Itallis

Revisão 1: sistema 10-20 e áreas de broadman em função do método

Revisão 2: sinal EEG e artefatos

Software Bioexplorer

Prática 1: coletando dados com bioexplorer

Prática 2: limpeza dos dados e montando o miniQEEG

Dia 2:

Interpretação da planilha e raciocínio para o protocolo

Elaborando o relatório para o meu paciente

Prática 3: criação do próprio plano de treinamento (autotreino) e seleção dos designs

Prática 4: acompanhando o progresso do meu paciente e elaborando o relatório após 10 sessões (*dados serão fornecidos para essa etapa)

PRÉ-REQUISITO:

Participado do Curso Teórico de Neurofeedback da AlfaNeurofeedback ou similar (*pessoas que participaram de cursos não ministrados pela AlfaNeurofeedback precisam submeter o certificado para validação da participação);

Conhecimento do uso das ferramentas word e excel (não nos responsabilizamos por dificuldades pessoais associadas à utilização dessas ferramentas).

Possuir equipamento próprio para a participação no curso.

MATERIAL: Será fornecido apostila no dia do curso e certificado de participação AlfaNeurofeedback.

BIBLIOGRAFIA INDICADA: não há recomendações específicas.

PROFESSORA: July Silveira Gomes

Doutora em Ciências, pelo departamento de Psiquiatria e Psicologia Médica da Universidade Federal de São Paulo (2017) e Mestre em Psicologia Cognitiva pela Universidade Federal de Santa Catarina (2009). É formada em Psicologia, pela Universidade Federal de Santa Catarina. Realiza pesquisas sobre o funcionamento do cérebro e sua relação com emoções e comportamento. Atende com biofeedback e neurofeedback em consultório particular, e realiza supervisões de profissionais.

Curso de Neurofeedback: módulo teórico 

Atualmente sou sócia da AlfaNeurofeedback e já lançamos os calendários de cursos para 2018. O site para ver todos os cursos que já estão no ar é:

http://alfaneurofeedback.com.br/eventos-2/

O curso teórico de neurofeedback visa oferecer as bases conceituais para a utilização do neurofeedback

Turma de no mínimo 6 e no máximo de 20 pessoas. Garanta a sua vaga!

DATA da próxima turma: 19 e 20 de maio de 2018

LOCAL: Tullip In Hotel, rua Apeninos, 1070. CEP 04104-021. Site: http://www.tulipinnsaopaulopaulista.com/pt-br . Ao fazer sua reserva, informe sua participação no curso. De

CIDADE: São Paulo

INVESTIMENTO:

– até 15/04/2018: R$1000,00

– entre entre 16/04/2018 e 10/05/2018: R$1190,00

– entre 11/05/2018 e 17/05/2018: R$1350,00

INSCRIÇÃO: Para receber o formulário de inscrição, envie um e-mail para julygomes@alfaneurofeedback.com.br

PÚBLICO ALVO: Profissionais formados em nível superior nas áreas da saúde e educação

OBJETIVO GERAL: Oferecer bases teóricas do neurofeedback

OBJETIVO ESPECÍFICO: Ao final do curso o aluno deverá ser capaz de:

– Entender os princípios do neurofeedback;

– Diferenciar entre as modalidades de neurofeedback utilizadas em settings clínicos;

– Entender sobre os principais parâmetros da eletroencefalografia aplicada ao neurofeedback;

– Entender as possibilidades da aplicabilidade da técnica em ambiente terapêutico.

CONTEÚDO:

  • O que é neurofeedback?

Conceito
e Histórico

  • Funcionamento do cérebro

Áreas de Brodmann, networks e circuitos neurais

  • Overview de modalidades baseada na dinâmica sanguínea:

Oxigenação cerebral e sistema neurovascular

Propagação da luz no tecido sanguíneo

Diferenças entre neurofeedback HEG e outras modalidades baseadas na dinâmica sanguínea (nIRS, fMRI)

  • Overview do neurofeedback com base na atividade elétrica cerebral:

Atividade elétrica cerebral: do potencial sináptico às frequências de onda

Sistema internacional de colocação de eletrodos 10-20

Montagens

Artefatos

Alterações no EEG normal

Diferenças entre o neurofeedback de frequência e as outras modalidades baseadas no EEG (potenciais corticais lentos e zscore)

  • Porque integrar o biofeedback cardiovascular ao treinamento com neurofeedback?
  • Associando outras técnicas: TCC, metacognição, treino cognitivo e neurofeedback.

PRÉ-REQUISITO: Não há

MATERIAL: Será fornecido apostila no dia do curso e certificado de participação AlfaNeurofeedback.

BIBLIOGRAFIA INDICADA: será enviada por email.

PROFESSORA:

July Silveira Gomes é doutora em em Ciências, pelo departamento de Psiquiatria e Psicologia Médica da Universidade Federal de São Paulo (2017) e Mestre em Psicologia Cognitiva pela Universidade Federal de Santa Catarina (2009). É formada em Psicologia, pela Universidade Federal de Santa Catarina. Realiza pesquisas sobre o funcionamento do cérebro e sua relação com emoções e comportamento. Atende com biofeedback e neurofeedback em consultório particular, e realiza supervisões de profissionais.

Biofeedback na Prática Clínica: Curso 2016

curso biofeedback educare

O Biofeedback é uma técnica de autorregulação psicofisiológica, que contribui para a ampliação do estado de consciência acerca de si mesmo, facilitando a integração corpo-mente. Nesse sentido, é uma importante ferramenta terapêutica que vem a agregar valor a diversas outras abordagens. O biofeedback utiliza sensores e softwares para o monitoramento fisiológico e, através do mecanismo de retroalimentação por condicionamento operante, o paciente é capaz de aprender a autorregular diminuindo respostas  disfuncionais como, por exemplo, as respostas de palpitação cardíaca ou de sudorese na palma das mãos, tão comuns em pacientes com transtornos de ansiedade.

Nesse curso você vai aprender sobre os mecanismos fisiológicos modulados pelo sistema nervoso autônomo (SNA), especialmente simpático e parassimpático, e sua relação com transtornos psiquiátricos em seus aspectos psicoemocionais. Você vai ter oportunidade de conhecer diferentes técnicas de biofeedback, suas áreas de aplicação e, ainda, a diferença entre o biofeedback e o neurofeedback.

Ao concluir esse curso você será capaz de identificar, no seu paciente, sintomas que estejam relacionados ao desbalanço entre os sistemas simpático e parassimpático, além de conhecer ferramentas que poderão ser usadas para o manejo do paciente. Será realizada demonstração de equipamentos e orientações sobre como utilizá-los no contexto clínico.

Maiores informações sobre o curso em: http://educareinstitute.com.br/ver/curso/biofeedback-na-pratica-clinica-curso-presencial-em-sao-paulo/


Biofeedback na Prática Clínica – Agosto de 2014

Você sabia que o biofeedback é uma ferramenta eficaz para auxiliar no tratamento de diversos transtornos psicológicos e somáticos?

Aprenda um pouco mais sobre a técnica no próximo curso “Biofeedback na Prática Clínica”, que acontecerá em Jundiaí – SP no dia 30/08/2014

Banner completo agosto 2014

 

Ansiedade e Biofeedback/ Neurofeedback

“E agora, será que escrevo sobre esse assunto? Vou escrever logo, se não alguém escreve primeiro! Mas e o compromisso que eu tinha? E se eu escrever e as pessoas não gostarem? Vão pensar que não sou um bom profissional? Mas eu sou um bom profissional não? Ai, e se eles perceberem que eu não domino bem o assunto? E se? E se…”

Ondas de pensamento incontroláveis e disfuncionais, como esse “diálogo interno” que inventei e escrevi acima, podem vir acompanhados de um desconforto físico que muitas vezes é difícil definir. Uma mistura de pontada no estômago com dores nos ombros, parece que o coração vai sair pela boca e algumas vezes a mãos começam a “derreter” de tão suadas. A euforia inicial se transforma em agonia e preocupação excessiva, e as vezes até uma tristeza e sensação de fracasso, antes mesmo de ter tentado… Só de pensar no assunto, tudo isso acontece… E é difícil parar de pensar…

A cena descrita acima nos remete a alguns dos componentes que acompanham a ansiedade: pensamentos involuntários e incontrolados, aceleração do batimento cardíacos, aumento da sudorese (não apenas nas mãos, mas também nos pés e face/ cabeça), mal estar generalizado, tensão. Além disso, pode-se apresentar a boca seca, tremores e medo excessivo.

lili-lilo-e-stiche-foto-300x205

Um quadro de ansiedade é comumente marcado por sintomas físicos, psíquicos (cognitivos e emocionais) e alterações fisiológicas. Esse é um mecanismo que se retroalimenta, em que as alterações fisiológicas desencadeiam reações cognitivos-emocionais (como pensamentos disfuncionais e acelerados e sentimentos de tristeza, desamparo e incerteza) e vice-versa.

As reações fisiológicas da ansiedade estão ligadas ao mecanismo de reação do nosso corpo: o sistema nervoso simpático. Ele é responsável pela resposta de luta ou fuga, e deveria ser mobilizado apenas nos momentos desafiadores, em que uma reação pontual e intensa fosse necessária. O ideal é que no dia a dia houvesse a predominância da ativação do sistema nervoso parassimpático, responsável pelos processos de manutenção corpórea, como digestão e relaxamento. Ou seja, o excesso de reatividade do sistema nervoso autônomo, trazendo o predomínio da ativação simpática, causa um desequilíbrio no ajuste fisiológico, desencadeando reações psíquicas e emocionais. Essas reações autônomas são comandadas pelo nosso cérebro e “padrões disfuncionais” de ativação cerebral estão relacionados com essa desregulação.

É importante lembrar que a resposta de reatividade é necessária e muitas vezes se mostrou fundamental em momentos difíceis, com desafios a serem superados. Porém, o desgaste físico e emocional causado pela manutenção do desequilíbrio é muito alto.

Sitema Nervoso Autonomo

Imagem: RENNER,Tanya. Psico A. Porto Alegre, McGrawHill, 2012; retirada do blog: http://neuropsicopedagogianasaladeaula.blogspot.com.br/2013/05/sistema-nervoso-autonomo.html

Padrões Cerebrais e Ansiedade

Alguns padrões de EEG (eletroencefalografia) em repouso estão ligados aos problemas emocionais, como os que encontramos em casos de ansiedade.

A inversão na assimetria da região frontal do cérebro tem sido ligada a sintomas de ansiedade e depressão. De modo geral, espera-se que o hemisfério esquerdo do cérebro seja um pouco mais acelerado ou mais ativado que o direito. Estudos tem sugerido que o predomínio de ativação do hemisfério direito (assimetria invertida) do córtex frontal está relacionado a sintomas de depressão e ansiedade.

Estudos com pessoas com estresse pós traumático sugerem que esse transtorno está relacionado com um “poder reduzido” das ondas do tipo alfa na parte posterior do cérebro, assim como com o aumento de “poder” das ondas beta nessa região.  Alfa é um padrão de onda ligado a um estado de “paz mental” e um alto “poder” de alfa já foi verificado em monges budistas. Beta é um padrão de onda ligado a processos cognitivos e beta muito rápido (high beta) também está relacionado com padrões de ansiedade.

Links para artigos sobre o efeito da meditação no cérebro:

http://epileptologie-bonn.de/cms/upload/homepage/axmacher/Felletal_2010_Med_Hypotheses.pdf

http://www.rickhanson.net/wp-content/files/papers/AdvancedMedEffects.pdf

Como o Biofeedback e Neurofeedback podem me ajudar?

Existem dois caminhos para redução dos sintomas de ansiedade através dessas técnicas: um é focar mais no sistema nervoso autônomo, usando técnicas de biofeedback periférico como o biofeedback cardiovascular, de resposta galvânica da pele e de temperatura.

Clique aqui para ver alguns posts sobre o biofeedback:

https://julyneuro.wordpress.com/2010/06/08/terapia-com-biofeedback-uma-tecnica-de-auto-regulacao-para-saude-e-bem-estar/?preview=true&preview_id=53&preview_nonce=a8db4e4384&post_format=standard

https://julyneuro.wordpress.com/2010/09/14/regulando-meu-humor-atraves-da-respiracao/?preview=true&preview_id=160&preview_nonce=93303965bb&post_format=standard

https://julyneuro.wordpress.com/2010/06/18/variabilidade-da-frequencia-cardiaca-e-biofeedback/?preview=true&preview_id=60&preview_nonce=0566af3c67&post_format=standard

Outra é trabalhar com o Neurofeedback, técnica na qual o sinal monitorado é o EEG (ativação cerebral). Através do registro desse sinal e exibição dele na tela do computador, é possível aprender a modular as ondas cerebrais, alterando aos poucos os padrões disfuncionais. O treinamento com neurofeedback requer regularidade e persistência. Algumas pessoas aprendem com mais facilidade, outras demoram um pouco mais.

De modo geral, na minha prática, eu associo as duas técnicas na mesma sessão, com o objetivo de diminuir o padrão de reatividade fisiológica, desencadeado pelo sistema nervoso autônomo, e obter melhores resultados com o neurofeedback.

Em caso de dúvidas, entre em contato: julyneurop@gmail.com